Quais são as suas amarras? O que te aprisiona e te impede de crescer?

Coelho enjaulado
Imagem de keagleton por Pixabay

 

Ahhh a vergonha…

Quantas coisas perdemos em função desse sentimento?

Será que existe alguém que não tenha vergonha de nada?

Pelas pesquisas que fiz parece ser impossível que haja alguém imune a ela.

É certamente uma ferramenta de controle em todos os âmbitos.

De acordo com a antropóloga Ruth Benedict, as culturas podem ser classificadas por sua ênfase em usar vergonha ou culpa para regular as atividades sociais de seus membros.

De qualquer forma existem as vergonhas reais e aquelas que criamos na nossa cabeça e que no final servem apenas para nos sabotar.

De uma maneira bem simplista acho que só deveríamos evitar as vergonhas que podem prejudicar aos outros e a nós mesmos.

Fora isso e espero não estar errada, todo o resto não deveria ser vergonha.

O único problema é que falo essas coisas da boca para fora.

A coragem ainda não me permite viver muitas coisas que gostaria por medo da opinião alheia e da vergonha que acabaria por sentir.

Foi assim minha vida inteira, mas já vislumbro alguns pontos de melhoria.

E essa pequena evolução se deu pela necessidade, como não poderia deixar de ser.

Infelizmente é sempre pela dor e não pelo amor.

Mas ok. O importante é que comece de alguma forma.

Voltando para o ponto de partida, ao perder o emprego precisei me reinventar e quem passa por isso não pode sentir vergonha, embora sinta (mas esse assunto para outro post).

Enfrentar os medos é essencial. E eles são muitos, e todos familiares da vergonha.

Ao criar minha rede social para crescer eu sabia que em algum momento precisaria gravar vídeos, dar entrevistas, palestras e me expor de uma forma que evitei minha vida inteira.

Procurei então um curso de oratória e coloquei meus monstros para fora. Já consigo dar entrevista e até fazer vídeo.

Mas aí entra um outro ponto que não é apenas o de conseguir falar em público ou para as câmeras. É o julgamento.

E esse sabotador é irmão mais velho da vergonha porque é ele que te faz recuar.

Somos críticos por natureza e se esperarmos para estar no máximo de nossa performance e sabedoria em tudo que fizermos, não faremos nada.

Nunca estaremos prontos. O mundo muda em uma velocidade muito maior e de certa forma estaremos sempre correndo atrás.

Portanto, é aquela coisa: faça mesmo com medo. Mesmo com vergonha, mesmo sem estar 100%.

Ótimo, duas questões enfrentadas.

Mas a vida pede mais e que bom que seja assim!

Como sabemos, empreender não é nada simples e o início é especialmente desafiador.

Não temos conhecimento suficiente, assim com experiência e capital entre outras coisas.

Portanto, ter vergonha não pode existir em nosso vocabulário.

Você tem que ir todos os dias para as redes para fazer propaganda de si próprio.

Tem que pedir aos familiares, amigos, conhecidos e nem tão conhecidos assim por uma força para divulgar seu produto ou serviço, compartilhar seus posts e assim por diante.

Com isso, além de tudo viramos os chatos da vez também.  Sabemos disso. Mas não tem jeito.

Quando esse sentimento tentar te demover de alguma ação, lembre-se que as grandes empresas fazem inúmeros comerciais nos quais exaltam seus produtos sem a menor vergonha.

E ninguém começa grande. Se eles chegaram lá foi porque deixaram a vergonha, o orgulho, o julgamento e tudo mais de lado.

E a mesma coisa serve para quem procura emprego.

A pessoa precisa estar aberta para pedir muitas coisas e quem não puder entender isso, não tem a menor ideia do que é ser humano no sentido amplo da palavra.

Muitas pessoas na minha rede me escrevem dizendo não ter coragem de expor o que sentem, o que estão passando.

E isso é ainda pior do que não ter um emprego porque ao se isolarem, ficam depressivas, diminuem as possibilidades, aumentando os problemas.

Outra coisa a se aprender que pode ser determinante na vida de todos nós: pedir!

Talvez seja uma das coisas mais difíceis. As pessoas preferem sofrer sozinhas a pedir ajuda para algo.

Pedir colo. Pedir dinheiro. Pedir paciência. Pedir emprego. Pedir indicação. Pedir AJUDA!

Por que é tão difícil?

É o orgulho…esse indigesto sentimento…

Em relação ao capital, quando se inicia um negócio, possivelmente haja menos recursos que o necessário para manter as coisas girando da forma necessária até se atingir o ponto de equilíbrio.

Portanto, se necessário: peça ajuda financeira.

Existem muitas opções disponíveis hoje. Não deixe que o orgulho seja maior.

Lembre-se que o “não” você já tem.

O resto é com você. No final é sempre nossa a decisão.

Eu criei uma campanha de crowdfunding para ajudar para nos custos fixos da Engaging e para custear a mentoria dos usuários.

Deixei a vergonha, o orgulho, o medo do julgamento e tudo mais num lugar que não me pertence mais.

Como disse, o não eu já tenho. Pelo menos eu enfrentei meus sabotadores e segui.

O principal é que estou aberta a buscar opções e a me reinventar o tempo todo para fazer com que as coisas aconteçam.

Não foi algo fácil. É uma mudança de postura que requer tempo para adquirirmos, mas é algo factível que só depende da gente.

Nessa minha caminhada já evoluí um pouco, mas sei que ainda tenho que aprender muito mais.

Minha vulnerabilidade é justamente o que me dá a coragem para buscar caminhos.

Quem quiser aprender mais sobre isso indico o TED da Amanda Palmer sobre “A arte de pedir.” :https://www.ted.com/talks/amanda_palmer_the_art_of_asking?language=pt-br

Caso você possa hoje fazer algo por alguém, faça.

Tenha orgulho e empatia quando e se um amigo ou conhecido pedir algo.

Saiba que não foi fácil.

Para finalizar peço uma reflexão: essa maré que navegamos é feita de ventos que mudam a todo momento e aquele que se pensar imune às mudanças das correntezas pode se surpreender lá na frente.

O melhor então é que aprendamos a navegar juntos, cada um no seu papel, seja ele qual for.

Só precisamos chegar ao porto com saúde e segurança.

E de prato principal vai ter que ter muita empatia, solidariedade, compaixão, paciência, resiliência e maturidade para enfrentar o que vier pela frente.

Sobre você: não perca mais nada em sua vida por vergonha, orgulho ou medo do julgamento.

É libertador!

 

Claudia Taulois

Compartilhe este post com seus amigos:
Dê sua opinião:
0 0

Comente!

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese