Pare de mirar numa só estrela. O universo é imenso!

via láceta
Foto: Pixabay
Compartilhe!

Mirar em um só alvo pode ser perigoso. Quanto maior o alvo, maior a chance de acerto.

Recentemente uma discussão tem sido motivo de muitos posts no Linkedin: o jeito mais eficaz de ajudar a quem procura emprego.

E entre os que precisam de ajuda e os que podem ajudar de alguma forma, há a questão de se fazer qualquer coisa ou apenas o que pode ser eficaz.

Pensando sobre o assunto, acredito que toda boa intenção é válida. Mas ter uma estratégia é sempre melhor.

Para quem precisa, qualquer coisa pode soar como alívio, mas quem está de fora consegue analisar melhor e ver que nem tudo é útil.

Quando criei a Engaging, fui movida pelo porquê, que eu tinha bem claro: ajudar as pessoas em fase de transição profissional, oferecendo apoio emocional e organizacional por meio de conteúdo qualificado e colaborativo.

E ao meu ver, não se trata apenas de indicar uma vaga de trabalho. Podemos ajudar compartilhando conhecimento e apoio porque é isso que irá fortalecer e preparar as pessoas para quando a oportunidade surgir.

Uma pessoa fragilizada tem menos chance de ser bem-sucedida em uma entrevista de emprego.

Mas para quem está desesperado, talvez nada disso seja suficiente no curto prazo porque temos necessidades práticas e nessa angústia só nos interessa o fim e não é o meio.

O que é um erro enorme.

É por isso que aceitamos qualquer tipo de coisa sem questionar se é efetivo. É por isso que não dedicamos tempo a cuidar do nosso emocional e é por isso também que não fazemos tudo que é mais importante, incluindo pensar na melhor estratégia.

Quem “tem fome”, tem pressa.

E somos muitos os famintos e por isso mesmo não podemos sucumbir ao fácil, ao imediatismo.

Se não fizermos a lição correta, podemos até encontrar um novo emprego, mas não um trabalho que sacie a nossa fome verdadeira.

Sem entender o que buscamos verdadeiramente, qualquer coisa parecerá servir. Mas por quanto tempo?

Estamos fazendo as perguntas erradas e em função disso talvez não tenhamos as respostas certas ou nenhuma resposta.

Portanto, antes de sair atirando para todos os lados, é preciso refletir um pouco.

Primeiramente entenda qual é o seu momento profissional:

  •  Quer mesmo voltar a fazer o que fazia?
  • A sua área de atuação está num bom momento ou encolhendo?
  • Você tem um grau de empregabilidade alto ou baixo?
  • Na sua área de atuação as pessoas são geralmente mais novas ou mais maduras?
  • Você está atualizado com as necessidades atuais do seu mercado?

Sobretudo, reflita “por que quero isso”. Não pare no “quero isso”.

Enquanto só perguntarmos a nós mesmos o que queremos, repetiremos os mesmos padrões e lugares já visitados. É mais fácil, seguro e cômodo.

Ao indagar o real motivo, nos forçamos a pensar e abrimos um leque de oportunidades.

Uma vez que isso ficar claro, tenha frieza para aceitar o que estiver em desacordo, para se adequar ao que for necessário ou mudar o seu pensamento e seguir um novo caminho.

Muitas vezes, não adianta ficar insistindo na mesma tecla sem entender que para aquele cenário específico, não há mais espaço.

E isso não significa que não haja mais alternativa. É só uma questão de mudança de trajetória.

Reinventar-se é a palavra!

E aí, tudo é possível! Só depende de você, da sua força, perseverança e determinação.

Como mencionado no título: pare de mirar numa só estrela. O universo é imenso!

Boa sorte! Estamos Juntos!

 

Claudia Taulois

Deixe sua opinião e compartilhe com os amigos.

 

 


Compartilhe!
Share This Post
1 Comment
  1. Perfeito, Claudia!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>