Mulheres Inspiradoras: A Corajosa!

Sapato de pessoa na beira do rio
Image by Moshe Harosh from Pixabay

Não tem como pensar em mulheres inspiradoras sem lembrar de minha querida avó Maria Ivonne que vive com uma doença, que sem aviso, roubou suas amargas e doces memórias acumuladas ao longo de seus 91 anos, chamada Alzheimer.

Nasceu na Espanha em 1927 e tinha uma linda família: mãe Isaura, pai Francisco que era médico e atendia seus pacientes à cavalo, depois chegou o Mário, seu irmão mais novo.

A família vivia em harmonia e tinha excelentes condições de vida.

Um dia, aos 7 anos, ganhou dos pais um lindo vestido para ir à escola, porém não aceitou usá-lo, pois sabia que suas amigas nunca teriam condições de comprar algo parecido, então para se igualar, usava vestidos mais simples.

São inúmeros os casos em que ela demonstrou ser uma pessoa humilde e doce.

Doçura que não foi diminuída quando, em seus nove anos, recebeu a notícia de que seu amado, querido e dedicado pai havia sido fuzilado, por motivos políticos, pelo exército do Franco, ditador da época.

Todos os planos que seu pai fizera para ela foram esquecidos.

Ela infelizmente não pode continuar os estudos e foi forçada a fazer trabalhos braçais em sua propriedade.

A guerra gerou muita escassez, chegou a passar fome, e sendo filha de republicanos, tinha que entregar sua colheita ao governo.

Sua mãe casou de novo e deu à luz a mais 2 filhos.

Aos 19 anos, devido as infelicidades que vivia, essa incrível mulher, entrou em um navio britânico, sem saber o idioma e embarcou rumo ao Brasil, local que chegou após 18 dias de viagem.

Chegou aqui e foi para casa de parentes.

Conheceu pela primeira vez seus primos de primeiro grau e foi acolhida por uma tia, irmã do pai.

O período triste começou a se inverter, quando meu avô Jesus, apaixonado pela minha vó, também pegou um navio e veio encontrá-la para então se casarem.

Desse lindo amor nasceram 5 filhas, uma mais linda que a outra. Não é porque são minhas tias e minha mãe, é que elas eram conhecidas assim mesmo.

Desde criança ensinou suas filhas a serem generosas com o próximo e enfatizava que nunca deveriam recusar um prato de comida aos necessitados.

Legado que observo sempre em minha mãe e tias até hoje.

Passaram por dificuldades financeiras, porém tinham o mais importante, amor.

Um enorme amor que os uniu por 31 anos, pois em sua breve vida, com 60 anos, meu querido avô partiu para o plano espiritual deixando uma enorme saudade no coração de toda família.

Vó Ivonne foi presenteada com sete netos, incluindo eu.

Tivemos o prazer e o privilégio de aprender com ela lições que são seguidas ao longo de nossas vidas.

Sempre escreveu poesias lindas e as recitava nos nossos aniversários e quando estávamos juntos.

Adorava contar história e por ter uma aptidão enorme para isso, escreveu um livro sobre sua vida, que não foi publicado, por enquanto, porém, sabia através de seu puro sentimento, transmitir em palavras o que viveu.

Além disso, nunca vamos esquecer de suas panquecas, empanadas e pudins de pão que fazia com tanto carinho e que nunca sobravam.

Posso citar muitos exemplos, mas para finalizar e que não poderia faltar, a vi fazendo inúmeros pares de meia de lã manuais para toda família, mas principalmente para bebês, crianças, adultos e idosos carentes para terem seus pés aquecidos no inverno.

Ela é meu maior exemplo, assim como minha mãe e sou eternamente grata e completa por ter nascido em uma família tão especial.

Avó

D. Maria Ivonne

Lívia Netto

Compartilhe este post com seus amigos:
Dê sua opinião:
0 0

Comente!

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese