Está empregado, mas desanimado ou inseguro?

mãos agarradas em cerca de arame farpado
Foto: Pixabay
Compartilhe!

Estar empregado nem sempre é a sétima maravilha do mundo e os motivos para estar desanimado ou inseguro, são inúmeros.

A verdade é que o drama das milhões de pessoas que hoje estão sem trabalho no Brasil é bem conhecido.

Mas pouco se fala dos efeitos do desemprego para quem fica nas empresas.

Algumas pessoas, apesar de estarem infelizes em determinada posição, permanecem no trabalho por razões de segurança ou comodidade.

Quem continua empregado muitas vezes acumula funções e ainda sofre pressões pelo medo do desemprego.

O cansaço dos trabalhadores leva à afastamentos do trabalho por doenças de ordem física e emocional, o que prejudica a todos.

O ideal é que a pessoa pense num plano B, mas que não fique o tempo todo atormentada.

Sofrer por antecipação é um grande erro e ainda mina a produtividade.

Cumpra suas obrigações, dedique-se, faça networking, fique atento ao movimento do mercado, mantenha seus contatos atualizados, cuide de sua imagem, recicle-se o tempo todo!

Se ainda assim, o desânimo for mais forte, vá a luta. Saia da sua zona de conforto e busque alternativas.

Muitos são na verdade, os motivos que levam o empregado a uma situação de desânimo e esse cenário é ruim tanto para o profissional quanto para a empresa.

Algumas empresas têm despertado para a importância de exercer bem a sua parte nessa equação pois um funcionário desmotivado pode ser um problema e afetar toda a cadeia do negócio.

O ambiente de uma empresa passa muito pelo estilo de sua liderança.

Quanto menos inspirador um líder é, mais autoritária e opressora precisa ser a sua gestão.

Além de ser prejudicial para o ambiente e convívio da equipe, esse tipo de comportamento compromete os resultados e acima de tudo mancha a sua carreira profissional.

Observa-se que muitas empresas falam muito sobre sustentabilidade e melhores práticas, mas na verdade acaba sendo apenas discurso e estratégia de marketing.

Os colaboradores são os prinicpais porta vozes e se o discurso não for real, a imagem ficará arranhada.

Esquecem que as pessoas são os ativos mais valiosos das organizações e que no final da ponta está o cliente, que hoje já é capaz de reconhecer as inverdades.

A importância do líder é fundamental para o sucesso de um negócio pois imprime sua gestão ao DNA da empresa.

Como Simon Sinek observa em seu best-seller “Start with Why”, a maioria das pessoas sabe o que uma organização faz, mas poucas sabem por que fazem isso.

Em outras palavras, a maioria dos líderes orientados por propósitos pode articular sua missão – mas muitos líderes motivados por missões não podem articular seus propósitos.

Como resultado, nossa cultura é inundada por líderes que não abordam o trabalho a partir de um local de propósito, e isso pode ser problemático.

Líderes que não estão ligados às razões por trás do que estão tentando realizar têm maior probabilidade de se distrair com novas tendências, desistir quando as coisas ficam difíceis, serem vistas como oportunistas por clientes e funcionários e evitar correr riscos que podem levar à inovação.

Verdadeiros líderes conseguem buscar equilíbrio entre vida profissional e pessoal e sabem que seus colaboradores precisam do mesmo pois entendem que um bom desempenho na área dos negócios passa pela saúde física e emocional.

As pessoas precisam entregar resultados e corresponder a demanda exigida, mas qualquer cidadão tem direito a ter uma vida digna e útil além trabalho e para isso é necessário uma jornada justa.

Um bom profissional é aquele que desempenha suas funções com responsabilidade, dentro de horários e prazos pré-determinados.

Ninguém que trabalha muito além das horas contratadas consegue estabelecer uma rotina de exercícios, lazer e convívio com familiares e amigos, adequadas.

Aqueles, no entanto, que exercem seu direito, podem ser mais plenos, equilibrados, ter mais saúde e em contrapartida render mais ao exercerem suas atividades diárias.

Uma cabeça boa num corpo são criam ambientes melhores, produzem mais e tem mais disposição e criatividade no dia a dia. Além disso, costumam exercer suas funções sem dispersão e procrastinação, elevando a eficiência de suas ações.

Algumas das vantagens de se ter colaboradores felizes:

Colaboradores felizes são mais leais e ficam mais tempo nas empresas. A redução da rotatividade significa retenção de conhecimento institucional e menor gasto de tempo e dinheiro com contratação e treinamento.

Colaboradores felizes se esforçam para alcançar os objetivos organizacionais definidos. Eles atravessam os períodos difíceis e ajudam a empresa a sobreviver a eles também.

Colaboradores mais felizes tendem a ser mais inovadores e criativos.

As emoções positivas, como o entusiasmo e o interesse, ajudam a ampliar o seu pensamento, consciência e tendência de explorar novas vias e abordagens.

Colaboradores felizes são mais saudáveis. O estresse drena não só o sistema imunológico, mas também a organização.

Os colaboradores que estão exaustos ou cronicamente frustrados são mais propensos a doenças e absenteísmo.

Dica: Burnout nunca é sobre as horas de trabalho, mas quão estressante é o trabalho.

Mas é preciso que a pessoa também faça a sua parte e se esforce para ser um bom empregado.

Se avaliar que as duas partes estão se esforçando e ainda assim você não retomar sua vontade e dedicação, talvez seja hora de pensar em uma mudança.

Situações arrastadas e de contínua insatisfação podem levar a um quadro de depressão.

Devido ao momento econômico, as pessoas também têm sofrido por antecipação, pelo medo de perder o emprego.

Procure afastar esses pensamentos prejudiciais de sua cabeça, concentrando-se apenas nas suas atividades.

De qualquer forma, é sempre bom manter-se atualizado, fazer networking com regularidade e observer a movimentação do Mercado.

Mesmo que você não esteja na berlinda e sua empresa não esteja realizando demissões, lembre-se que ter um plano B é sempre bom.

Reflita sobre o que você pode fazer se perder o emprego neste momento.

Conhecer-se bem e identificar seus pontos fortes e fracos é fundamental em qualquer época de nossa vida pois é preciso evoluir sempre, focando no que for necessário aprimorar.

Veja artigo da Rise sobre o Employer Branding.

Compartilhe suas experiências!

Engaging. Estamos Juntos!

 


Compartilhe!
Share This Post

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>