Se você chegou aqui certamente é uma mulher fora da curva. Não se contenta com a dor e nem com a mediocridade. No mais profundo do seu ser anseia pela vida que tanto sonhou e busca por sua realização. É determinada, confiante e sabe o que quer da vida desde muito cedo. É uma mulher guerreira de muitas lutas e conquistas.

Mas ao longo da caminhada na vida, muitos percalços surgiram, muitas adversidades, desafios, conflitos, dores, perdas e faltas. Muitos desencontros. Obstáculos e empecilhos foram impossibilitando o alcance de determinados sonhos, projetos e realizações. Nessa caminhada muitas partes de si mesma foram perdidas, outras roubadas e outras tantas anuladas. Hoje, você olha para si e não se reconhece mais. Os sonhos, a esperança, a vontade de viver, a alegria, foram se perdendo ao longo da caminhada.

– “Não possuo mais aquele fôlego de vida, a vida vai se perdendo em meio a selva de pedra em que vivemos. Para sobreviver, preciso ser aquilo que a sociedade quer que eu seja, senão o fizer serei excluída, rejeitada. A sociedade é bastante cruel.”

Segundo o psicólogo americano Abraham Maslow, a autorrealização é tanto uma busca quanto uma necessidade inerente a cada ser humano. Necessidade esta que obedece a uma hierarquia e que poderá ser alcançada após outras necessidades como, fisiológicas, de segurança e de estima, serem atendidas. Mas você chegou em uma etapa da sua vida em que, no mais profundo do seu ser, você não tem mais a necessidade de andar conforme os padrões da sociedade. O mais profundo do seu SER anseia por algo que você ainda não compreende. Esse processo é nomeado por Jung, de processo de individuação ou a busca de autorrealização, que reflete na busca por si mesma. Ser quem você verdadeiramente é na sua essência.

Insatisfação com a própria vida, seja familiar, profissional, amorosa e/ou pessoal, divórcios, perdas, rupturas, morte. Adversidades, situações conflituosas, questionamentos internos, perda do sentido atual da vida, sensação de que não me conheço são pontos de partida para o início da busca por si mesma. O processo de busca de autorrealização foi vivido e experienciado pelo psiquiatra Carl Jung na meia idade, na casa dos 40 e 50 anos.
É um processo de volta a si mesmo, de busca pelo que realmente tem valor para si. É um processo de reconstrução, a partir da destruição.
Um processo de transformação, de liberdade.

Para encontrar-se consigo mesma, é necessário percorrer um caminho oposto ao percorrido pela sociedade. É necessário dar ouvidos à voz interior.

O que a sua alma tem clamado?
O que a sua alma não suporta mais viver?
Que basta a sua alma quer dar?
É na angústia!? É no medo!? É na insatisfação consigo mesma!? É no sofrimento!?

Ouça a voz que clama das profundezas do seu ser.

Não se anule mais.
Não busque mais aceitação.
Não valide a si mesma a partir do outro.

Ame-se primeiro. Mas como me amar, se não me conheço, se não me admiro, se não me contemplo, se não sou suficiente para mim mesma!?

Parece difícil e quem sabe até impossível para alguns, mas é possível para a Psicanálise.

A Psicanálise a partir de um processo terapêutico de análise, pode auxiliar na compreensão dos sentimentos e questionamentos que surgem nessa etapa da vida, contribuindo não só para sua resolução, como também proporcionando conhecimento de si e uma possível reconexão consigo mesma.

Foi a partir da Psicanálise que me conheci, que me reconstruí, me conectei e me encontrei. Foi preciso passar pela destruição para me conectar comigo mesma e me reconstruir a partir da minha verdadeira essência.

Por isso estou aqui. Já percorri esse caminho. Sei que todos aqueles que, mesmo inconscientemente, estão vivendo seus processos de busca por autorrealização ou de busca por si mesmos, precisarão de auxílio e orientação acerca de tudo o que está passando e vivendo.

Se você deseja passar por esse processo de forma mais consciente, conheça um pouco da minha história acessando os destaques no meu Instagram @psi.giancarla.costa e veja como a Psicanálise me auxiliou no meu processo em busca de autorrealização. Te espero lá!

 

Giancarla Costa – Psicanalista, Colunista e Especilaista da Engaging