Quanto de nossas crianças birrentas, trazemos para nossa rotina adulta?

A verdade é que ela habita nosso inconsciente e influência muitas de nossas atitudes. Sim, em algum ponto, todos empacamos em nossas teimosias e arrogâncias e ela cresce!

O pior é que em muitos dos casso, sabemos estar errados, mas não retrocedemos. O orgulho que nos cega, nos faz prosseguir, insistindo em decisões equivocadas e comportamentos vergonhosos.

Para quem olha, o óbvio salta aos olhos. É a tal da “vergonha alheia”, que sentimos muitas vezes.

Em muitas ocasiões, situações banais servem de gatilho para trazer esse ser à tona, podendo, no entanto, causar muitos danos. Exs:

  • Não pedir informação, mesmo estando claramente perdido!
  • Pegar o carro, apesar de ter bebido.
  • Insistir numa mentira, apesar de já ter sido desmascarado.
  • Postergar a ida ao médico mesmo sem estar bem.

Apenas algumas das muitas situações que ocorrem em nossas vidas, mas que nos ajudam a visualizar bem a nossa infantilidade e a alheia também, afinal só enxergamos as nossas falhas quando elas realmente gritam aos nossos olhos, não é mesmo?

Que fique o alerta e a reflexão: pessoas maduras deveriam ter outro comportamento e recuar quando estão erradas. Insistir por teimosia e arrogância, não fará que uma situação errada, se torne certa. Só irá expor a sua infantilidade, o que não é conveniente!

Caso se perceba no meio de uma situação dessas, não tenha vergonha de recuar. Simplesmente peça desculpas e aceite o que for mais razoável.

Errar faz parte. Insistir no erro, é burrice!

Existem muitas situações onde a sua criança interna será muito bem-vinda! Que ela se manifeste nos momentos em que você precisar ser leve, alegre e criativo!

Nas demais, deixe-a em casa, e se necessário, coloque-a de castigo!

 

Claudia Taulois – Publicitária, Escritora e Founder da engaging.com.br