Pare tudo e olhe-se no espelho. Seus olhos brilham? Sua pele reluz? Quem habita esse corpo? Quantos anos você aparenta ter? Está feliz?

Há quanto tempo não se fazia essas perguntas e não se olhava com cuidado?

Ano entra, ano sai. Férias vêm e vão e parecemos estar sempre cansados. O tempo todo correndo atrás de algo sem nunca sentir a tal da plenitude e da paz interior!

Vivemos no piloto automático. Não fazemos pausas, não fechamos para balanço, não encerramos ciclos.

Fingimos estar recomeçando uma nova etapa no início de cada ano. Depositamos nesse momento todas as nossas esperanças e boas energias! Comemos lentilha, uvas e romã, pulamos 7 ondas, vestimos branco, entre tantas coisas.  

Mas será que nos preparamos realmente para esse novo início? Ou jogamos apenas desejos ao vento? Onde estão os planos baseados em objetivos e metas?

Não dá para ser diferente: para começar algo novo é necessário antes encerrar uma etapa, mas costumamos esquecer esse detalhe. Vamos vivendo tudo junto. 

É como cozinhar no jantar na mesma panela do almoço, sem antes jogar fora a comida que sobrou. Acumulamos os restos com os novos ingredientes, comendo assim mesmo. E ainda reclamamos de ter uma indigestão!

O mais adequado seria dar mais atenção a esse momento. Se temos vontade de melhorar, precisamos estruturar melhor essa ânsia para ao final colher aquilo que almejamos.

Definitivamente, não dá para começar um ciclo sem fechar outro!

Ah, mas no final do ano é impossível parar! Tem as festas, as compras e as inúmeras comemorações e happy hours…

Mas então, quando?

Que tal buscar essa inspiração na natureza? 

Ela, sábia que é, nos mostra que é preciso dar uma pausa. A cada outono, despe-se de suas folhas para um recolhimento natural. 

Hora do balanço, onde o que está velho precisa morrer para dar lugar ao novo. Momento ideal para nossas avaliações e para programar o próximo período, deixando para trás o que não nos serve mais e focando no que precisa de atenção.

Comece por você. Visite seus sentimentos e comportamentos. 

Será que você consegue desapegar-se de tudo, assim como as árvores? Há algo em você que precise de ajuste, de mudança, de cuidados? 

Com a alma e a cabeça mais leves, aproveite para se cuidar. Massagens, hidratação, comida quentinha, sono regenerador! Seu lema deve ser: eu me permito!

E na sua casa: que tal fazer aquela limpeza e organização que está postergando há meses? Tire tudo que não lhe serve mais. Abra espaço! Com certeza a energia fluirá bem melhor!

Avalie como está sua vida emocional, profissional e social. Tudo certo ou necessitando de ajustes? Aproveite para conduzir todos os reparos! Não deixe nada para trás! Ainda que doa, mantenha-se firme e faça as devidas “podas”. 

Importante que reveja seus objetivos e acerte o percurso, estabelecendo como viverá os próximos meses e estações. 

Para ter uma colheita farta, deve planejar agora!

Por ora, deixe suas folhas caírem sem medo!

Claudia Taulois