Não basta abrir a porta que te aprisiona. É preciso alçar voo e esse passo não precisa ser dado sozinho.
Somos todos parte de uma mesma engrenagem em que cada um tem um papel a cumprir para que possamos chegar ao final da viagem da melhor maneira possível!

 

Tudo está  exatamente como deveria estar. E assim sempre será.

Estou fazendo o que estou fazendo agora – criando conteúdos e recursos para ajudar pessoas que estão trilhando o mesmo caminho que eu já percorri – porque sei que do outro lado, existem muitas pessoas que precisam de uma luz para mudar suas vidas.

Pessoas que buscam mais qualidade de vida, mais autoconfiança, mais coragem e sobretudo: autoconhecimento para seguir com segurança.

Já estive onde você está hoje e vesti o mesmo calçado que hoje lhe faz sofrer. Na época eu não via nada além da dor, mas foi exatamente ela que me fez mais forte e que me abriu os olhos para meu propósito atual.

Sim, podemos mudar muitas vezes durante a vida. O que nos preenche hoje pode não fazer sentido amanhã e está tudo bem!

Adaptar é sobrevivência. Mudar é evolução.

Estarmos atentos e conectados a nós mesmos é o que permite que escutemos os chamados da alma. E quanto antes entendermos, mais facilmente transitaremos entre as muitas histórias e possibilidades que a vida irá nos apresentar.

Ao final, seremos como uma grande colcha de retalhos em que estamparemos a nossa trajetória.

Algumas passagens podem ser mais tristes e desafiadoras, mas elas são também parte do que nos foi reservado para nos transformar em algo melhor.

Portanto, não lute contra a maré. Não finja que está tudo bem.  Não empurre as mudanças com a barriga, nem tema o novo.

Lembre-se: tudo é parte de algo muito maior e embora não possamos entender muitas coisas no momento em que ocorrem, precisamos confiar e seguir.

Sim, é preciso ter fé e colocar o pé. O chão será providenciado.

Importante lembrar que nossas histórias estão todas entrelaçadas e que dependemos que cada um faça a sua parte da melhor maneira. A justificativa de EU estar aqui é que VOCÊ precisa estar do outro lado.

Sem isso, o círculo não fecha, não se completa. Somos parte de uma grande cadeia evolutiva.

Bora sair da caverna que te aprisiona?

Sei que no início tudo é difícil, mas aos poucos você vai se acostumando com o novo e nunca mais voltará ao antigo padrão, afinal passarinho que voa não quer saber de voltar para a gaiola.

Claudia Taulois