Por que estamos aqui, no Linkedin ou em qualquer outra rede?

Por que passamos a frequentar encontros de networking, ir a eventos de negócios?

Desejo ou necessidade? 

“Quem não vem pelo amor, vem pela dor.”

Com certeza você já escutou ou mesmo disse essa frase em alguma situação na sua vida.

Mas alguma vez, você já parou para analisar seu próprio comportamento em relação a essa afirmação?

Ou seja, você é daquelas pessoas que vai empurrando com a barriga até que não tenha mais jeito e tenha que resolver pela “dor”, ou se atira em tudo, procurando uma existência mais plena?

Geralmente deixamos a vida nos levar e quando resolvemos agir é porque fomos obrigados a isso.

E nessa situação, tudo se torna mais desafiador porque é justamente quando nos encontramos num momento de vulnerabilidade.

E dessa forma, como nossa “visão” é mais turva, nem sempre tomamos as melhores decisões.

Caso a dor tenha sido o combustível que esteja lhe movendo no momento, antes de sair abraçando tudo que vê, lembre-se de dar um passo atrás para se reconectar com sua essência.

Não se torne um robô movido a tendências, atirando para todo lado. Encontrando o que realmente te move, passará a agir pelo “amor” e terá mais chances de fazer escolhas assertivas.

Sendo assim, a primeira providência é olhar para dentro, cuidar do que ficou esquecido, organizar a bagunça, trabalhar o que foi deixado de lado e estagnou.

Só então, com a mente mais clara, partir para o novo, seja ele qual for. Mas que venha com a certeza de ter feito uma reflexão.

Que não nos esqueçamos que viveremos mais e que precisaremos de uma atividade, afinal apenas com a aposentadoria, geralmente a conta não fecha.

Portanto, a decisão a ser feita nesse momento é de extrema importância pois vai lhe acompanhar por muito tempo e nesse sentido, o mais sensato é definir algo que além de renda, nos traga propósito.

Bora fazer de 2020 um ano de amor?

#Estamosjuntos!

Claudia Taulois